Primeira IgrejaA Primeira Igreja Batista desta cidade foi organizada no dia 4 de fevereiro de 1900 pelo conquistense Tertuliano da Silva Gusmão, na Fazenda Felícia, em uma casa de adobe, por ele construída, em frente à sua residência.

 

Tertuliano era fazendeiro e também comerciante de gado, ou boiadeiro, como chamavam esse tipo de profissional. Formada a boiada, era conduzida por terra até regiões próximas a Salvador, onde o gado era vendido. Numa dessas viagens, ele esteve acampado num lugar chamado Areias, quando lhe apareceu um jovem, cujo nome desconhecemos, mas que se identificou como pastor evangélico. Ele contou as perseguições e ameaças que esteve sofrendo naquela cidade pelos inimigos do Evangelho. Tendo solicitado pousada em seu rancho, Tertuliano lho concedeu de boa vontade. Terminados os negócios, chegou o dia da despedida. Em sinal de reconhecimento e gratidão, aquele jovem ofereceu a Tertuliano uma Bíblia, presente valiosíssimo e raro naquela época.Retornando à Conquista, Tertuliano não perdeu tempo: leu logo o livro com sua família e foi aos poucos atraindo parentes e amigos. Bem logo, um grande número de pessoas já não tinha dúvida de que aquele livro era a Palavra de Deus e, pelo seu modo de viver e proceder, já eram batistas sem nunca terem tido qualquer conhecimento do que fosse uma igreja batista. Buscaram a Deus em Sua Palavra e O acharam.

 

Uma coisa os preocupava: Aprenderam na Bíblia que o batismo significava imersão; todavia, quem estaria, autorizado para realizar os batismos?

 

Antônio Teófilo de Queiroz, genro de Tertuliano, homem de alguma cultura, pois ocupava um cargo público na cidade, revelou-se crente fiel e estudioso da Bíblia, foi escolhido por unanimidade para realizar os batismos. As primeiras pessoas batizadas foram: Nanu, Ana Vitória, esposa de Tertuliano, Isidória, esposa de Queiroz, Melânia, Olívia e Laudicéia.

010203

 

Certa vez ouviram de um missionário, Zacarias C. Taylor, que se encontrava em Salvador. Queiroz para lá se dirigiu e lá permaneceu por cerca de 30 dias. Ali ele foi batizado, doutrinado e consagrado pastor. Voltando à Conquista, reuniu os crentes já batizados e organizou a igreja em 4 de fevereiro de 1900, tornando-se seu pastor por muitos anos. Foi ele, pois, o primeiro pastor desta 1ª Igreja.

Os crentes eram assíduos aos trabalhos e fiéis dizimistas. Aqueles que moravam distantes, saiam de casa ao romper da aurora a fim de participarem de todos os trabalhos. A igreja cresceu em número, e, por isto, mais tarde, alugaram uma casa na Rua da Várzea (hoje, 2 de Julho), e organizaram ali uma congregação. Pouco tempo depois, compraram aquela casa, fizeram uma reforma e transferiram a igreja para o citado local. Aquela casa reformada foi o seu segundo templo.

 

141516

 

Neste tempo, violentas perseguições se abateram sobre a igreja, e os crentes as enfrentaram com firmeza. O irmão Altímio Teixeira, já na glória, nos deixou escritos alguns lances dramáticos dessas perseguições. Dentro da igreja os crentes eram apedrejados. Numa dessas ocorrências a esposa do pastor foi atingida por uma pedra, resultando no local da pedrada um tumor que lhe causou a morte mais tarde. Os inimigos formavam grupos que saíam à meia-noite com latas de piche e pincel, fazendo cruzes nas portas das casas dos crentes. Pinchavam a cruz maior na porta da casa do pastor. Os grupos se armavam com armas de repetição para atacar os crentes na igreja, mas os crentes, prostrados em oração, desestimulava-os do intento perverso e tomavam outro caminho. Outros saiam à noite pelas ruas fazendo batucada em latas e cantando com música do Cantor Cristão a seguinte letra:

 
“Jesus é meu, Jesus é meu só.
Jesus não é meu nem teu,
Jesus é do Dondó
Que comprou uma parte do Céu,
Por moedas de ouro em pó”.
 

Dondó era Ricardo Ferraz de Oliveira, fazendeiro e crente fiel.

 

O padre recomendava aos seus adeptos a queimarem toda literatura evangélica que recebessem dos protestantes hereges. Assim foram queimados folhetos e bíblias em abundância.

171819

 

Os crentes prosseguiam firmes e destemidos na pregação do evangelho. Tendo o pastor Queiroz como líder. A igreja cresceu e começou a criar congregações fora da cidade, em Quaraçu, Jussara, Perequito, e outros lugares.

 

No dia 28 de outubro de 1911, a igreja recebeu com festa a visita do missionário Salomão Ginsburg, da outra América, que pregou por duas semanas a grandes auditórios. Houve muitas decisões e mais de 70 profissões de fé. Quando o missionário retornou para Salvador, foi acompanhado por umas 50 pessoas, a cavalo - homens e mulheres - até cerca de 12 km. Aí apearam, e ao lado da estrada, se ajoelharam, oraram e, chorando, pediam as bênçãos do Senhor para o missionário. Depois, com fortes abraços de despedida, ele continuou a viagem grandemente fortalecido na fé pelos cuidados dos irmãos em Cristo. Desejo lembrar que a viagem era feita a cavalo até Jequié.

 

202122

 

Continuando a enfrentar pesadas lutas contra o inimigo, a igreja crescia com a graça do Senhor. Servos fiéis estavam na batalha, travando as guerras contra o inimigo, com as armas espirituais, poderosas em Deus. Além de Tertuliano estavam na luta: Firmino da Silva Gusmão, José Matias, Bocage da Silva Gusmão, e Joaquim Viana de Castro.

 

Em dezembro de 1923, foi organizada a “Escola Marcelino Mendes” da 1ª Igreja Batista de Conquista, na Rua da Várzea (hoje, 2 de Julho). Formava o corpo docente o diretor da escola, Pr. Abílio Pereira Gomes, Dr. Adalberto Portela, Inês C. Gomes, Percíria Gusmão Sales e o diretor de música, Francisco Antônio Vasconcelos. Em 1925, já com o nome de “Colégio Marcelino Mendes”, ficou sob a direção do Pr. Oséas Dias de Souza. Algum tempo depois, assumiu a direção do referido colégio, o Pr. João Norberto da Silva, por cerca de 18 anos. Pouco tempo depois o colégio foi desativado em virtude do êxodo de alunos para as escolas públicas que surgiram na cidade.

 
0405
 

Na década dos anos 20, a igreja começou a construir o seu 3º templo, na Praça 2 de Julho, hoje, Caixeiro Viajante, local do templo atual. O vigário da Freguesia tentou embargar os trabalhos da construção, conforme nota publicada no jornal “A Notícia”, 28 de agosto de 1921. Alguns valentes homens de Deus enfrentaram as ações demolidoras do padre e o inimigo foi vencido com o poder do Alto. Esse 3º templo foi inaugurado em 16 de outubro de 1928, cuja foto ainda conservamos em nosso poder. Foi uma data festiva para os crentes. Muitos pastores se fizeram presentes à inauguração, entre eles o Pr. Firmino Silva, que presidiu os trabalhos; J. A. Tumblim, Pr. Felinto Alves e M. G. White. Foi uma semana de trabalhos animados, com hinos bem ensaiados sob a regência do maestro Vasconcelos. O jornal “A Notícia”, de 24 de outubro de 1928, publicou uma nota parabenizando os batistas pela inauguração do belo templo, e termina dizendo: “Não nos é possível conter a nossa censura aos católicos de Conquista, que deixam a igreja matriz prestes a cair, enquanto os de religião oposta edificam um belo templo, tendo gastado, até agora, 45 contos de réis”.

 

232425

 

Este 3º templo foi demolido, surgindo em seu lugar o imponente edifício, belo e admirável, considerado um dos maiores templos do país e que, num retrospecto nos faz lembrar da pequena casa de adobe da Fazenda Felícia, construída por Tertuliano da Silva Gusmão.

 

0607

 

No final dos anos 20, o Pr. Antônio Queiroz foi acometido de um problema cerebral, ficando, diante da enfermidade, impossibilitado de continuar à frente da igreja. Foi, então, substituído pelo Pr. Antônio Marques da Silva. Depois dele vieram os Prs. José Félix, Casemiro Gomes de Oliveira, Firmino Silva, Luiz Regis, Eduardo Gobira de Souza, João Norberto da Silva, Saturnino Pereira, José Rego do Nascimento. O missionário M.G. White ocupou, como pastor interino, por várias vezes o pastorado da igreja nos períodos entre a saída de um pastor e entrada de outro. No dia 11/05/1958, assumiu o pastorado desta igreja, o Pr. Gérson Correia da Rocha, vindo como auxiliares: Pr. José Infante Jr., em agosto de 1983. Tempos depois, veio o Pr. Gérson Nogueira da Silva e Pr. Stênio de Araújo Verde, hoje, pastoreando ambos, outras igrejas.

 

080910


 

Pouco foi dito sobre o templo atual, porque sua história está toda contada no livro escrito pelo Pr. Gérson Correia da Rocha, “O Romance de Uma Construção”, em cujo pastorado a obra foi começada. Foi este pastor quem lançou a pedra fundamental - 7 de setembro de 1958 - . este templo que abriga uma linda igreja e que honra os primeiros crentes, fundadores desta grei, foi inaugurado na 1ª semana de fevereiro de 1966.

 

111213

 

O Pr. Gérson Correia da Rocha recebeu a igreja com mais de 300 membros, conforme constava em seu rol de membros. Mas, tendo sido feita uma revisão nesse rol, juntamente com uma exaustiva procura de membros desaparecidos por muito tempo, o rol foi reduzido para 150 membros, sendo que, nessa listagem ainda constavam alguns já falecidos e muitos outros que, desaparecidos, nunca reapareceram. Neste ano de 2003 a igreja está com 917 membros. No período deste pastorado (1958 - 2003) foram organizadas várias igrejas, deu para causa do Evangelho mais de 30 pastores que militam em vários estados do Brasil. Sua visão missionária se expandiu muito, resultando no envio ao campo de 25 casais de missionários e 5 irmãs solteiras às tribos indígenas e áreas outras; uns sustentados pela igreja, outros ajudados no sustento e outros sendo amparados pelas nossas orações. Temos missionários entre os índios Caiapó-PA, Ticuna-AM, Tribo Gavião-RO, Zoró-RO, Arara-RO, Deni-AM, Kaxinawá-AC, Yanomami-AM, Javaé-TO, Waiãpi-AP, Ji-Paraná-PR, Tapirapé-MT, Ashaninka-AC, Canamari-AM, AIMI - Missões Judaicas-SP, Moçambique-África, Papua-Nova Guiné, Senegal-África e Portugal. Ajudamos também no sustento de alguns irmãos que trabalham na área de apoio missionário, nos institutos de preparo especializado, na promoção da obra entre as igrejas e na área de apoio espiritual aos missionários que se encontram nas tribos. O trabalho de evangelização se estende e vão surgindo pontos de pregação e congregações dentro e fora da cidade.

 

262728

 

Podemos dizer com alegria: “EBENÉZER!” - Até aqui nos ajudou o Senhor!

 

Fonte de Pesquisa: Sr. Nelson Gusmão Cunha - através de jornal, D. Semírames Mendes Sales, Genísia Sales de Melo, Lídia Gusmão Malta, Autímio Teixeira, (dados inclusos neste relato histórico), “História de Conquista - Vol. II”.
Estes dados históricos foram preparados, após minuciosa pesquisa, pelo distinto irmão, o diácono Genor Calixto Moreira.

Entre em contato

Praça Caixeiros Viajantes S/N - Centro
Vitória da Conquista - Bahia
Fone/Fax: (77) 3424-6596
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.